24.6.17

a inveja impele o mundo, não diz o poeta mas digo eu. 
várias frentes, vários inimigos; antes que apareça a romãzeira do Pipoco -- que, lutando pelo primeiro lugar, não terá qualquer pudor em subornar o público leitor -- fica mais uma das minhas maravilhas: abrunhos!

peleja pela hora do calor, V. Ex.ª, com certeza fazendo-se acompanhar de algum Ambrósio e um ar condicionado portátil...

mas vamos ao que interessa, onde estão as flores da sua orquídea de duas cabeças hibernadas e uma cabeça moribunda (que de tão amarela, até dá peninha)? como pensa vir a ser alvo de inveja, com esse periquito floral escarafunchado? mas afinal quem é o general que lhe coordena as tropas? (estaria o horto fechado, à hora que a sua consierge chegou?)


abstenho-me de continuar esta guerra, por caridade à sua plantinha. pode recolher os seus mortos e tratar dos seus feridos e que tenha aprendido a lição, a inveja quer-se florida!

Declaração de Guerra à Artista Palmier


Artista Palmier,

Serve a presente missiva, teclada em QWERTY debruado a branco sobre pvc azul petróleo, para convocar V. Ex.ª à peleja mais silenciosa de que haverá memória, durante todos os séculos que hão-de vir, neste mundo virtual: a Guerra da Invídia. Enquanto a Capitã do Purpurinas não terminar a época da apanha dos reumáticos, sem braços que se encarreguem dos sabres e dos canhões, teremos de nos gladiar com o mais comum dos sentimentos, mas o mais nobre entre as gentes que são maiores (não sendo baixa, já calcei as botas de salto, que tu parece que levaste adubo no berço).

Inicio eu, que tive a ideia (absolutamente original) de te atingir com o ferrão do ódio pelo possuidor e investi num fotógrafo profissional e no aluguer de um estúdio próprio para a captação de imagens tão belas e tão raras. 

Primeiro disparo (e único, suspeito), Artista Palmier: A Fartura de Violeta -- A ORQUÍDEA MAIS BELA DA BLOGOSFERA.


de frente


de costas


já faleces nesse chão de mosaicos brancos, aposto, tal foi a pontaria do disparo.


23.6.17


s/ legenda (3 de 3)

22.6.17

como te atreves, Daniel Jonas, a dizer que a poesia não é evasão?!?
Colibri

Imagem relacionada

Entre os Astecas, as almas dos guerreiros mortos voltavam à terra sob a forma de colibris ou borboletas. (...) os índios Tucanos da Colômbia acredit(a)m que o colibri ou «pássaro-mosca» copula com as flores, representando assim o pénis, a virilidade radiosa. De resto, no Brasil, também se lhe dá o nome de beija-flor.


/in Dicionário dos Símbolos, J. Chevalier e A. Gheerbrant, teorema/ 
Marlon Brando, o sedutor, enfeitiçando-me entre a luz e a sombra.

o meu arrasa-corações
Corto Gatês, o magnifico, tem passado largas temporadas em terra. suspeito que não lhe agrade o calor em mar de palha.

Corto Gatês, namorando-me

20.6.17

vidro azul, a tocar
enquanto ouço os grilos, que começam sempre depois das rãs, o teclado molhado, o copo perigosamente entre a mão e a mesinha de cabeceira, onde perto de duas dezenas de livros se amontoam, um avião que passa, um carro ao fundo, o gato que continua a miar -- penso como seria tão bom se esta noite chovesse.  
o anoitecer na varanda, duas cadelas arfando o calor, um gin de refeição, um gato que mia, outros três esperando que o gato que mia me toque ao sentimento e lhes toque a eles uma latinha, uma cama desfeita onde me aninho sozinha, um noitibó perto, o coaxar das rãs, o telemóvel que toca e nada de novo. o enxotar das pequenas traças que buscam a luz do monitor. talvez seja esta monotonia que me agrada, esta paz fictícia que me mantém.
fique, disse-me ele, quando entrei no consultório fora de horas, ambos sabendo que não.
há demasiada raiva dentro de mim, que nasci e cresci pertos dos pinheiros e das gentes do campo. acumula-se todos os anos mais um pouco deste fel. hoje, se não fosse pela réstia de bom-senso que a experiência de vida me trouxe, mandava aqueles imbecis, corruptos e incompetentes - que não agem, reagem: tarde demais - todos prá puta que os pariu. não mandando, porque de nada me vale, senão acender um rastilho nesta selva virtual, onde as pessoas de bem - especialmente aquelas que se acham com piada ou verve no teclado- vêm dar lições do politicamente correcto e agradável, resta-me, a mim e a vós, continuar a assistir de bancada à destruição e à morte  daquilo e daqueles que neste país sempre tiverem o menor valor, |os d|o interior rural.

18.6.17

ajuda, precisa-se!

Carlos Pedrosa


saiam de casa e ajudem. há voluntários perto dos hipermercados pedindo água, leite, fruta e bolachas para os bombeiros /e vítimas/ que combatem as chamas em Pedrógão. ajudem.


CONTA SOLIDÁRIA CAIXA

IBAN: PT50 0035 0001 00100000 330 42

17.6.17



Maud Le Fort by Alex Bramall 

não consegui pedir mais do que um sumo de melancia e uma daquelas taças misturadas de gelatina, fruta e iogurte natural. vais ter fome só com isso, grunhia a vozinha dentro da cabeça, sentido o cheiro da carne grelhada. impossível!, respondi-lhe com firmeza, sabendo da falta de força para mastigar. e por ali fiquei, sentada numa sala fresca do centro da cidade, à espera que o rapaz simpático me lavasse o automóvel e a livraria se movesse milagrosamente até mim.
eu, que sou basicamente uma porcelana*, sentia os raios em brasa a queimarem-me a carne e só pensava, catano, vou parecer um camionista! o senhor pereira, refugiado debaixo do ar condicionado da sala, gritava, veja se a piscina lhe agrada, menina, é à direita! e eu, por deus, homem, não me obrigue a esta aflição -- já lá vou, sr. pereira, já lá vou, arrastando-me pelo empedrado a arder, enquanto um diabinho invisível me atazanava o cérebro em papa, com que então tinhas inveja do jardineiro?...


/* argila, quartzo, caulim e feldspato, uma beleza/

16.6.17

percebi o engano, não sou vítima, mas o meu próprio carrasco. se levei tanto tempo a saber algo tão óbvio de mim, quão ingénua seria se acreditasse que conheço a profundidade de alguém.
quanto do que encontramos nos outros será fruto da nossa construção?
o homem veio na hora de maior calor, tentei demovê-lo, que o trabalho não fugia, que podíamos remarcar, mas ele insistiu, que eu já tinha alterado a vida, que ele noutra altura não podia, e assim foi, a tarde inteira a máquina roçou o mato. eu, impossibilitada de fugir à vida, invejei a língua de fogo que lambia o corpo do homem, a secura da boca, as tonturas azuis.

13.6.17

já mais tarde, juntos na cama, deitados os dois, olhámo-nos com calma. tactei-lhe a capa rija em busca de algum relevo e toquei-lhe nas primeiras páginas devagar. suspeitava da nota inútil, mas não esperava que herberto ficasse connosco tantas linhas. foi com ele que dormi nessa noite.
o Forte veio comigo, foi tudo por acaso, nenhum de nós esperava cruzar-se com o outro naquele dia. eu entrei para comprar uma revista, cheia de pressa, que alguém me tinha pedido. ele, em ângulo indefinido - acalmem-se os matemáticos, que na escrita tudo se pode -, escondido da multidão pelas agendas de lisboa, em laranja néon, com uma faca nos dentes. António!, juro que exclamei, abraçando-o com as duas mãos.


Ao nível do mar

como o nome da flor do vinho


murmurado entre relógios de carvão


escrito devagar na cal do silêncio


como o lençol de púrpura


no peito dos amantes


de costas para a morte

ao nível do mar


como um cardume de palavras cintilantes


no horizonte de cinza e de pavor


como um cavalo branco toda a noite


de estrela para estrela


ao nível do mar


como a flor que se abre na boca dos suicidas


um homem


ferido de morte


vai falar


devagar, muito devagar, tão devagar que terminei o sumo de laranja, ainda com eles no meu campo de visão. as mãos encaixavam, como duas bocas que se conhecem de outras vidas. pela mão, ela seguia o homem da sua vida. ele atrasava o passo, para esperar pelo dela. e assim seguiam juntos pelo corredor. que coisa bonita, lembro-me de ter pensado, enquanto a rapariga da caixa gritava: TOSTA MISTA!
olho as mulheres, nas suas leggings pretas a bambolear as carnes, os chinelos de meter nos dedos, as unhas em formato de garras e fico descansada por não sentir mais do que um leve repúdio. não me atrai a insolência de quem se julga superior, porque lê meia dúzia de livros.

11.6.17


em flor (2 de 3)
findo o tríptico,



Rachmaninoff plays Mozart K. 331 Rondo alla Turca

pela boca de Maximilien Que, um ex oficial das SS alemão, contando as suas memórias,






As benevolentes, de Jonathan Littell
entrevista a Jonathan Littell, no courrier de maio, a propósito do seu documentário Wrong Elements,


Qual a razão de ter escolhido música clássica para acompanhar as imagens?

Fiz o possível por não cair naquilo a que chamo o "kitsch National Geographic" - cores sumptuosas, o nascer do sol na savana com o som de tambores ao longe... queria fazer um filme que fosse exatamente o contrário dessa estética. Para mim, a música clássica tem a vantagem de marcar a distância e, de certa forma, a minha posição como observador externo. Sou um branco ocidental em África. Não tenho os mesmos referentes culturais nem a mesma história que as pessoas que filmo. A música clássica simboliza séculos de tradições, parte das quais foram importadas para Africa através do colonialismo e da religião cristã. É com esta bagagem que nós, eu, cineasta e você, espectador, olhamos África.


[...]


Sentado na esplanada de um hotel em Gulu, Jonathan Littell fuma uma cigarrilha. Ouve-se o canto metálico dos insetos enquanto a escuridão vai caindo sobre a cidade. É a hora das dúvidas. "Sabemos o que procuramos, mas não sabemos o que vamos encontrar", conclui Littell. "Afinal, o meu documentário não passa de mais um filme de brancos sobre Africa."

10.6.17

trago a alma em cinzas
um punhado de mim em pó

quando foi que morri?
finalmente dei-me ao trabalho e fui comprar a água tónica. da melhor, pedi ao bartender invisível. voltei com quatro garrafinhas, quinino natural.
agora, de copo na mão, o dia despido a um canto e o poeta azul aninhado nos lençóis lavados, esperando o meu corpo macio, namoro a lua e deixo-me ir. procuro o lugar mágico onde o tempo congela e a incógnita do amanhã vazio dista de igual maneira das ausências que o ontem me deixou. a cada gole, uma tentativa.

9.6.17

todas as tardes de sexta-feira são iguais, mas a felicidade instantânea dos que têm uma vida para além desta vida deixou de me incomodar. agora observo o bêbado apoiado nas muletas velhas, tentando gestos de arrumador, as raparigas do salão, rindo, de cara cansada, e as do café, quase todas amuadas, o velho das chaves, que raramente se encontra, a rapariga que rói as unhas e ao fim de semana reveza o tio na sapataria, a senhora da farmácia, tão simpática e perfumada, o rapaz manco que trabalha na loja do chinês e baixa a cara sempre que o cumprimento, como fazem os rapazes tímidos da aldeia, e percebo quão pequeno era o meu mundo antigo, nas distantes avenidas.

7.6.17

a boa aranha à casa torna e Milu é o exemplo. dona de uma obstinação muito peculiar, é vê-la repousar suave entre as pétalas da Violeta, quem sabe, recordando os altos mares de outrora.



6.6.17

leite e mel, de Rupi Kaur, parece feito de vidro prensado. mal começamos a mastigar as palavras e o sangue escorre pelos cantos da boca. fere. rasga. crava.



ele devia ter sido
o primeiro amor da tua vida
continuas à procura dele
por todo o lado

- pai



***


o primeiro rapaz que me deu um beijo
empurrou os meus ombros para baixo
segurando-os como se fossem o guiador
da primeira bicicleta em que andou
eu tinha cinco anos

os lábios dele traziam o cheiro
da fome que herdou do pai
quando se satisfazia em cima da mãe às 4 da manhã

ele foi o primeiro a mostrar-me que o meu corpo era
para servir aqueles que queriam
que eu me sentisse
tudo menos inteira

e meu deus
não me senti eu tão vazia
como a mãe dele às 4h25 da manhã


***


pai. quando telefonas não tens nada de especial para dizer. perguntas o que estou a fazer e onde estou e quando o silêncio se alonga como se houvesse uma vida inteira de distância entre nós eu trato de arranjar coisas para te perguntar. o que eu gostava de te dizer é isto. percebo que este mundo tenha arrasado contigo. não tem sido nada fácil para ti. não te culpo por não saberes ser carinhoso comigo. às vezes fico a pensar em todos os sítios onde te dói e que nunca contarás. eu venho do mesmo sangue dorido. do mesmo corpo tão desesperado por atenção que perco as forças. sou tua filha. sei que a conversa de circunstância é a única maneira que tens de me dizer que me amas. porque é a única maneira que tenho de te dizer.


***

os nossos joelhos
afastados à força
por primos
e tios
e homens
o nosso corpo tocado
por todas as pessoas erradas
que até numa cama segura
temos medo

5.6.17

grandes leoas!

mais tempo de antena para o futebol feminino, sff!

4.6.17

nada, nem uma erva cortada, nem uma máquina de roupa, nem uma arrumação em lado nenhum. nesta poucas horas que às vezes roubo ao trabalho, vegeto, ao sabor da brisa - que sopra forte, fazendo com que as searas baldias me soem à ondulação do mar.



das minhas combinações


[tivesse eu vida e fazia do tasco um Pinterest]

3.6.17

Os dois, ali, expectantes, transparentes, nus,
na natureza de sempre.



[confesso, cheguei tarde demais a Armando Silva Carvalho]
você é uma mulher do inverno, não é? apanhada a meio do meu segundo cochilo, fico sem saber o que responder. talvez a mulher pergunte porque me vê de casaco de malha escuro. anda toda a gente de manga curta no salão. acha?, respondo finalmente. ai é, é. escolhe sempre as mesmas cores escuras, ou é sangue ou é cereja. gracejo, então mas as cerejas não são de agora?, enquanto fito as minhas mãos. que sou uma mulher do inverno já o sabia, o que me surpreendeu foi ver-me despida pela unhas.


Daniel Martin Zupi

2.6.17

então vamos lá a isso do 'selinho'.

graças à minha amiga Be (sim, Dr.ª Palmier, esta alfinetada é para si!), o meu espaço cinzento amarelado e enjoativamente depressivo foi acarinhado (é o termo) com um 'selinho' de Blog em Bom, seja lá o que isso for. sei que se cortar a corrente (coisa que normalmente aprecio sobremaneira), um panda bebé será morto pelo Pipoco Mais Salgado. assim sendo, e por respeito à Be, que é linda (és mesmo), e aos milhares de leitores que por aqui passam diariamente (só ontem tive 169 visualizações!), ainda que com imenso desagrado e arrogância de pessoa que lê imprensa internacional e não perde tempo com brincadeiritas domésticas, darei seguimento à estrelícia do selinho.


Se o meu blog fosse um blog em bom, seria O mundo da G, (mas apenas) pelos mundos incríveis (vossos) que por lá reúne e que fazem parte do meu quotidiano.


-- e um abraço especial aos comentadores sem blog, anónimos, onónimos, alguns, soberbos --




[a Be diz que não leu as instruções de participação até ao fim. é provável que o prémio acabe por ser impugnado pelas vilãs do costume e eu tenha de voltar ao palco entregar o oscar à concorrência...]